Notícias

Juventude vai ao Ver-o-Peso dialogar sobre Direitos Humanos

Postado em 26/04/2016 as 23:03:11

Na manhã do dia 16 de abril, adolescentes e jovens, participantes do projeto Jovens Comunicadores da Amazônia, realizado pelo Instituto Universidade Popular (Unipop) estiveram na feira do Ver-o-Peso para dialogar com a população sobre a questão dos Direitos Humanos.

O objetivo da ação foi de conversar com as pessoas sobre importância de se informar e conhecer o que são realmente os Direitos Humanos, na perspectiva de desconstruir a visão estigmatizada e equivocada massivamente publicizada em programas midiáticos e sensacionalistas, que não possibilitam um olhar mais aprofundado do tema.

Enquete é realizada para investigar a compreensão da população sobre os Direitos Humanos


Durante a atividade de incidência, a juventude realizou uma enquete com o público ali presente, entre turistas, feirantes, compradores e transeuntes. Ao todo 91 pessoas foram entrevistadas, com idade ente entre 16 e 82 anos (21 jovens, 54 adultos e 16 idosos), sendo 49 homens e 42 mulheres.

Das pessoas entrevistadas 54% afirmaram que já tiveram seus direitos violados/desrespeitados; 95% disseram que respeitam os Direitos Humanos e 85% disseram não conhecer todos os direitos.

Em uma lista simplificada entre 18 direitos humanos, os entrevistados tiveram que escolher três deles que jugassem mais importantes. O resultado apontou para a ‘dignidade’ como o Direito Humano considerado mais importante (13,92%); em seguida, a ‘saúde’ (13,55%); em terceiro lugar destacou-se a ‘liberdade’ (13,18%).

Os dados nos indicam a importância de ampliar os espaços populares de diálogo acerca dos Direitos Humanos, a fim de possibilitar maior compreensão e empoderamento da população sobre o assunto, principalmente no enfrentamento das violações destes Direitos.

Jovens Comunicadores da Amazônia protagonizam ação de incidência para a transformação social


Ao relatar sobre a experiência vivenciada no complexo do Ver-o-Peso, Carla Renata, 19 anos, disse ter considerado uma experiência enriquecedora mesmo diante de reações tão diferenciadas das pessoas indagadas. “Ir a campo nos permite sair da zona de conforto e ir ao encontro do outro, sem saber se ele vai te tratar bem ou não. Em relação aos diálogos, eu pude perceber que os mais jovens tinham mais consciência do que se tratava. Além disso, esse público destacou [os direitos humanos] como sendo fundamentais, demonstrando não sofrer discriminação. Já os mais velhos sabiam vagamente sobre os direitos humanos, pelo fato de não terem acesso a esse tipo de informação. Eles destacam como fundamental o direito à comunicação”, disse a jovem que participa do projeto realizado pela Unipop.

> Veja mais fotos

Fonte: Unipop